Matemática à distância

O que é EaD:

EaD é a sigla para Educação a Distância. É uma forma de ensino/aprendizagem mediados por tecnologias que permitem que o professor e o aluno estejam em ambientes físicos diferentes.

EaD possibilita que o aluno crie seu próprio horário para estudar pois geralmente as aulas são ministradas pela internet, e o aluno apenas comparece a instituição de ensino para realizar as provas. Nessa modalidade o aluno acompanha a matéria através de mídias como televisão, vídeo, CD-ROM, telefone celular, iPod, notebook etc.

A Educação a Distância foi regulamentada pelo Decreto-Lei nº 2.494, de 10 de fevereiro de 1998, do Ministério da Educação, regulamentando o Art. 80 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Entre outras disposições, determina que a educação a distância será oferecida por instituições especificamente credenciadas pela União. Caberá também à União regulamentar requesitos para realização de exames e para registro de diplomas relativos ao curso.

Na educação a distância, o aluno tem a capacidade de gerenciar seu próprio aprendizado, ele possui uma grande autonomia para estudar e "assistir" as aulas de acordo com seu tempo disponível.

A Educação a Distância é uma modalidade de ensino que tem se tornado cada vez mais comum. São oferecidos cursos de graduação, pós-graduação, cursos técnicos, profissionalizantes, de aperfeiçoamento etc.

Influências da tecnologia disponível em cada época

De 1904 a 1960 - O meio de comunicação com os alunos era por correspondência.

De 1961 a 1970 - Implantou o rádio educativo como comunicação.

Em 1970 - Acrescenta-se as aulas via TV e apoio de materiais impressos, a partir de então a tecnologia evoluiu muito, com a ajuda da internet e tornou mais facilitado o ensino.

Atualizada legislação que regulamenta Educação a Distância no país

O Ministério da Educação regulamentou a Educação a Distância (EaD) em todo território nacional. A partir de agora, as instituições de ensino superior podem ampliar a oferta de cursos superiores de graduação e pós-graduação a distância. Entre as principais mudanças, estão a criação de polos de EaD pelas próprias instituições e o credenciamento de instituições na modalidade EaD sem exigir o credenciamento prévio para a oferta presencial.

Com a regulamentação, as instituições poderão oferecer, exclusivamente, cursos a distância, sem a oferta simultânea de cursos presenciais. A estratégia do MEC é ampliar a oferta de ensino superior no país para atingir a Meta 12 do Plano Nacional de Educação (PNE), que exige elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% e a taxa líquida em 33% da população de 18 e 24 anos.

O Decreto Nº 9.057/2017, publicado na edição do Diário Oficial da União desta sexta, 26, que atualiza a legislação sobre o tema e regulamenta a Educação à Distância no país, define, ainda, que a oferta de pós-graduação lato sensu EaD fica autorizada para as instituições de ensino superior que obtêm o credenciamento EaD, sem necessidade de credenciamento específico, tal como a modalidade presencial. A nova regra também estabelece que o credenciamento exclusivo para cursos de pós-graduação latu sensu EaD fique restrito às escolas de governo. Todas as mudanças tiveram como objetivo, além de ampliar a oferta e o acesso aos cursos superiores, garantir a qualidade do ensino. Os polos de EaD, por exemplo, passam a ser criados pelas instituições, que deverão informá-los ao MEC, respeitados os limites quantitativos definidos pelo ministério com base em avaliações institucionais baseadas na qualidade e infraestrutura.

Oferta - O ministro da Educação, Mendonça Filho, justifica a atualização da legislação ao comparar o percentual de jovens entre 18 e 24 anos matriculados no ensino superior em diferentes países. Enquanto Argentina e o Chile têm cerca de 30% de seus jovens na educação superior - percentual que ultrapassa os 60% nos Estados Unidos e no Canadá -, o Brasil amarga um índice inferior aos 20%. "Essa realidade é resultado tanto do fato de que se trata de uma modalidade ainda muito recente na educação superior brasileira quanto da constatação de que a regulamentação atual data de 2005 e não incorpora as atualizações nas tecnologias de comunicação e informação, nem os modelos didáticos, pedagógicos e tecnológicos consolidados no momento presente", explica.

A oferta de cursos a distância já estava prevista no Art. 80 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e passou pela última atualização pelo Decreto nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Nesse período, a modalidade EaD tem crescido fortemente no país, acompanhando o progresso dos meios tecnológicos e de comunicação. De acordo com o Censo da Educação Superior realizado em 2015 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), há no país 1.473 mil cursos superiores a distância ofertados cujo crescimento é de 10% ao ano, desde 2010. Atualmente, são mais de 1,3 milhão de estudantes matriculados, com crescimento de 50% entre os anos de 2010 e 2015.

Outras modalidades - O Decreto Nº 9.057/2017 também regulamenta a oferta de cursos a distância para o ensino médio e para a educação profissional técnica de nível médio. Nessas modalidades, as mudanças devem atender ao Novo Ensino Médio e ainda terão seus critérios definidos pelo MEC em conjunto com sistemas de ensino, Conselho Nacional de Educação (CNE), conselhos estaduais e distrital de educação e secretarias de educação estaduais e distrital, para aprovação de instituições que desejam ofertar educação a distância.

Matemática: é possível aprender a distância?

O Surgimento da Educação a Distância

Para elucidar o tema em questão é preciso saber que trabalhar as ciências exatas a distância já ocorre desde antigamente. Sophie Germain (1776-1831), fora uma Matemática, física e filósofa francesa com contribuições fundamentais à teoria dos números e à teoria da elasticidade. Apaixonou-se por matemática após conhecer a biografia de Arquimedes. No entanto, para a sociedade da época era inconcebível uma mulher aprofundar algum conhecimento científico. Em 1794 foi fundada a École Polytechnique, em Paris, destinada à formação de cientistas e matemáticos. A escola era restrita à homens e, apesar da vontade, Sophie não pôde se matricular. Germain então passou a utilizar o pseudônimo masculino de M. Leblanc e conseguiu as notas de vários professores com os quais ela passou a se corresponder e enviar os trabalhos escritos que lhe resultaram intermináveis elogios de Lagrange, que era um dos professores da escola. Ao descobrir que o senhor Leblanc era uma mulher, Lagrange não sentiu menos respeito por aquela mente fantástica e numa segunda edição de seu livro Essai sur le Théorie des Nombres, acrescentou várias descobertas de Sophie relatadas em suas cartas (MORAIS FILHO, 2003). Segundo Eves (2004), além de Lagrange, Germain também se correspondia com Gauss, por quem foi elogiada e cumprimentada. Eves (2004) ainda lamenta que Sophie e Gauss nunca tenham se conhecido pessoalmente e que Germain tenha morrido (em 1831) "antes de a 1 Universidade Cruzeiro do Sul, e-mail: rbarragan@unisa.br, orientador: Ismar Frango Silveira. Universidade de Göttingen conferir-lhe o título honorário de doutor recomendado por Gauss". (Eves, 2004, p. 525). Essa modalidade de ensino se desenvolveu durante algumas gerações, porém seu primeiro experimento aconteceu no período de 1728 até mEaDos de 1970. Esses anos são considerados a primeira geração da Educação à Distância. A primeira diligência em educação a distância no Brasil se deu, da mesma forma que nos demais países, por meio de aulas por correspondência, o rádio e televisão foram utilizados como mecanismos para essa forma de ensino. Por volta dos anos 90, com o espargimento das tecnologias de comunicação e de informação, surgem cursos oficiais de EAD estimulados pelas secretarias de educação municipais e estaduais, alguns empreendimentos isolados e outros em coadjuvação com universidades. Se antigamente a Educação a Distância (EAD) já ocorria através de correspondências, hoje, com todos esses recursos, a propagação desse método de ensino é implacável. O ensino a distância tem se espalhado de um modo muito rápido como fruto da globalização e da informatização. De 2003 a 2006, o número de cursos nessa modalidade no Brasil aumentou 571% (CHAMARELLI, 2008), o que demonstra a velocidade dessa expansão.

A Matemática na Educação a Distância

O aprendizado da matemática é de suma importância. Sua necessidade se evidencia na maioria das tarefas rotineiras, bem como é componente curricular de muitos cursos superiores, uma vez que é elemento imprescindível em diversas atividades profissionais. Em paralelo, a modalidade à distância tem sido a opção de muitos universitários, pois em tempos de tecnologia facilmente acessível é o curso universitário que vai ao aluno, otimizando seu tempo e ampliando suas condições para acessar o conteúdo a qualquer momento. Assim, faz-se necessária a reflexão de como se dá o processo de ensino e aprendizagem da matemática nas condições oferecidas pela EaD, uma vez que a disciplina exige prática e treino. De acordo com o Decreto nº 2494, de 10 de fevereiro de 1998, do MEC a educação a distância: "(...) trata-se de uma forma de ensino que possibilita a autoaprendizagem, com a mediação de recursos didáticos sistematicamente organizados, apresentados em diferentes suportes de informação, utilizados isoladamente ou combinados e veiculados pelos diversos meios de comunicação". Dessa forma, deve-se considerar a matemática parte do ensino a distância, visto que não está livre desse processo. Esse artigo vem descrever um cenário geral de como a matemática vem sendo trabalhada na Educação a Distância e elencar as particularidades sobre o assunto. O Ensino Superior da matemática traz um protótipo de educação basEaDo em um padrão habitual de aprendizagem, onde a metodologia utilizada é simplesmente narrativa, focada no discurso do professor, e os conteúdos são impostos como realidades irrefutáveis, como algo finalizado e concluído, sem o cuidado em dar significado a esses conhecimentos. Os alunos, por sua vez, têm apenas o trabalho de resolver uma série de exercícios que, muitas vezes, não exigem nenhum esforço criativo, reflexivo ou que exija capacidade de interpretação e raciocínio lógico. Esses estudantes não estão ligados sentimentalmente com as disciplinas e na maioria das vezes surgem questionamentos sobre a importância destas dentro do curso, o que ocasiona desistência por não entenderem seus objetivos. Isso advém, de modo geral, por conta de os conceitos serem trabalhados de forma aleatória, sem estarem inseridos em um contexto. Com isso perpetua-se o desenvolvimento nos estudantes das corriqueiras e constantes estratégias de simples memorização e repetição daquilo que foi estudado. Os alunos, por sua vez, criam uma relação de dependência com o professor, sem buscar autonomia e sem adquirir qualquer senso crítico sobre aquilo que vem estudando. Desse modo começam a surgir as falhas no processo ensino/aprendizagem e que podem ser fruto da metodologia adotada pelo docente, da postura adotada pelo discente, de algum fator da Instituição de da união das três.

Nesse contexto, fica evidente que o ambiente virtual está impregnado de relações sociais, como afirma Borba et al (2007). O uso de diferentes metodologias pode auxiliar no processo de aprendizagem, pois faz com que os alunos se interessem e se tornem mais ativos nas aulas. Nesse contexto, constatamos que as principais dificuldades encontradas para o desenvolvimento de aulas com base em diferentes metodologias são o comodismo, a falta de tempo, o despreparo e a desmotivação do professor frente ao desafio de modificar suas aulas. A EaD traz uma proposta de ensino diferenciada daquela utilizada no ensino presencial, consequentemente requer práticas pedagógicas diferentes das utilizadas no ensino tradicional. Nesse caso, um curso ministrado em ambiente virtual, precisa de planejamento e organização didática por parte dos docentes que pode exigir um tempo até maior do que o que seria despendido ao planejamento de um curso presencial, em alguns casos. (MORAN, 2000) É importante ressaltar que não basta reproduzir a aula tradicional numa tela de computador e ter a ilusão que esta é uma grande inovação. A tecnologia não é um "milagre" que supre todas as falhas do professor. É necessária a renovação dos paradigmas do professor que trabalha com EaD com o objetivo de melhorar e inovar as aulas. (FLEMMING et al, 2008) No entanto, é fácil verificar com uma pesquisa informal, a desconfiança das pessoas com relação à matemática na EAD. É quase unanime o espanto ao ouvir falar de matemática no ensino a distância. Contudo, essa forma de estudar matemática não é uma novidade, basta montar uma estrutura adequada para desenvolver uma metodologia de ensino eficaz. Nesse processo é imprescindível a envoltura do aluno na construção do conhecimento. Ele abandona o papel de receptor do conhecimento e passa a ter um papel mais participativo no processo de aprendizagem. Deve-se quebrar o paradigma de que o ensino a distância se caracteriza por uma educação apática e privada de sentimento. Borba et al (2007, p. 26) ressalta que é fácil constatar que o conceito de interatividade não diz respeito à proximidade física dos sujeitos, mas à capacidade de o "receptor interagir ativamente com o emissor". Saraiva (1996) coloca que nessa modalidade especialmente, deve existir um processo bilateral, ou seja, deve existir um comprometimento de ambas as partes, professor e aluno, para promover uma educação consistente. O conceito de distância é relativo. Muitas vezes, pessoas que frequentam a mesma sala de aula durante um semestre inteiro são mais frias e distantes do que uma turma de ensino a distância que discute pontos de vista e interagem sobre os assuntos propostos. (FORMIGA, 2003) Freire (2004) já falava da importância de desenvolver a autonomia no educando e o ensino a distância é uma ótima maneira de trabalhar a responsabilidade do aluno diante das suas decisões, uma vez que ele vai organizar seus horários de estudo e definir suas prioridades em relação ao curso que optou por fazer. A Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) assume a importância da matemática trabalhada no ensino a distância, como possibilidade de levar o conhecimento da matemática a um número de pessoas cada vez maior. Porém devemos levar em conta que dados do Instituto Nacional de Analfabetismo Funcional (INAF) apontam que 77% dos brasileiros são analfabetos funcionais em matemática e uma preocupação grande da SBM é com a qualidade desses cursos ministrados a distância. (SBM). Dessa forma, quando falamos em matemática, o mais importante é verificar como essa disciplina está sendo abordada, principalmente no ensino a distância. O professor deve ser meticuloso ao trabalhar cada conteúdo. As tecnologias devem ser utilizadas a favor da disciplina. Os conceitos matemáticos devem ser oferecidos de forma mais atraente, mais dinâmica e mais motivadora, para afastar essa visão errônea de que matemática é difícil. Com a internet, a transmissão de informações deve ser viabilizada. Ela tem um papel importante no cenário do ensino a distância. Principalmente em matemática, esse recurso, quando bem utilizado, facilita a o aprendizado dos conceitos, tornando-os mais cativantes e realizáveis. Planejamento e dedicação são importantes para evitar vícios comuns. Há um grande número de professores que têm um discurso enfático sobre as novas tecnologias de informação e comunicação, no entanto, se limitam a transpor para o ambiente virtual a mesma aula do ensino presencial. (MORAN, 2002). Mas será que o professor que trabalha com educação a distância está pronto para lidar com essa modalidade educacional? Não basta boa vontade por parte dos professores, faz-se necessário prestar atenção na maneira com que o professor é preparado para trabalhar com EaD, pois exige base teórica e mudança nas suas práticas de sala de aula. Mesmo assim o preparo do docente que trabalhará em ambiente virtual não pode se limitar ao treinamento técnico. É imprescindível que este profissional domine a capacidade de comunicação, uma vez que na disciplina virtual a comunicação não conta com expressão facial, tom de voz ou outros elementos que possam facilitar o entendimento. (DOTTA e GIORDAN, 2007). Novamente a ligação entre o professor e o aluno está estreitamente destacada. De acordo com o comportamento que o professor adota em sala de aula, mesmo que seja em ambiente virtual, ele continua sendo parâmetro para os alunos e, se ele se sente desconfortável com a metodologia de ensino, involuntariamente, transmitirá essa vivência aos seus alunos.

Uma dessas metodologias, muito interessante para trabalhar conteúdos de matemática na internet são os objetos de aprendizagem. Eles possibilitam e motivam tanto o professor quanto o aluno. É lastimável que os dos professores não busquem novidades e inovações, na área onde atuam. As principais dificuldades encontradas para o desenvolvimento de aulas com base em diferentes metodologias são o comodismo, a falta de tempo, o despreparo e a desmotivação do professor frente ao desafio de modificar suas aulas. Com esse panorama, fica evidente que a maior dificuldade que a educação a distância encontra para crescer, ainda está na crença que os professores ainda têm em não ser possível ensinar matemática num ambiente que não seja o presencial. No entanto, é necessário assumir a necessidade da atualização e renovação dos conceitos e métodos. Para tanto, faz-se necessário um embasamento teórico e prático, antes de se iniciar a produção de materiais e cursos virtuais. Não obstante a base da educação a distância seja a educação, devemos observar que a metodologia para trabalhar com EaD é bem diferente. A sociedade, hoje, necessita muito mais de habilidades e competências do que conteúdos propriamente ditos.

REFERÊNCIAS

ALAVA, Seraphin. Ciberespaço e formações abertas: rumo à novas práticas profissionais. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BELLONI, M.L. Educação a distância. Campinas: Autores Associados, 1999 (6° edição em 2007). Coleção educação contemporânea.

BORBA, M. C. et al. Educação a distância online. Coleção Tendências em educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Nº 9394. Dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 15 de outubro de 17

BRASIL. Referenciais de qualidade para EAD. Ministério da Educação e Cultura. 1997. Disponível em:. Acesso em: 15 de outubro de 17

"Quando o foco é aprendizagem matemática, a interação é uma condição necessária no seu processo. Trocar ideias, compartilhar as soluções encontradas para um problema proposto, expor o raciocínio, são as ações que constituem o 'fazer' Matemática. E, para desenvolver esse processo a distância, os modelos que possibilitam o envolvimento de várias pessoas têm ganhado espaço, em detrimento daqueles que focalizam a individualidade".