APRENDER A FAZER

Aprender a fazer, a fim de adquirir não só uma qualificação profissional, mas, de uma maneira mais abrangente, a competência que torna a pessoa apta a enfrentar numerosas situações e a trabalhar em equipe. Além disso, aprender a fazer no âmbito das diversas experiências sociais ou de trabalho, oferecidas aos jovens e adolescentes, seja espontaneamente na sequência do contexto local ou nacional, seja formalmente, graças ao desenvolvimento do ensino alternado com o trabalho. (DELORS, p. 29, 2010) 

Grupo 02 - Fazer

Apolonio, Heitor, Arthur Renan, Nathália, Eloísa Helena


2º pilar da educação: 

Aprender a fazer

     Na sociedade do século XXI é fundamental que cada um possa construir conhecimentos e significados, utilizando a própria bagagem prévia de experiências, relacionando-a às novas aprendizagens propostas ou buscadas. A simples transmissão de informações do professor para o aprendiz não basta. É preciso investir na busca e no tratamento de informações em muitas fontes e que se trabalhe de modo ativo para contrastá-las e transformá-las em conhecimento, atividade própria do sujeito, como protagonista do ato de conhecer.

Desse modo, não basta só conhecer e consumir ideias alheias - é preciso construir as próprias ideias e concepções, com autonomia - o que requer exercitar a autoria. O ato de conhecer mobiliza o aprendiz como um todo, não somente a cognição e requer esforço, dedicação para localizar, reunir, agregar, reconstruir, transformar ideias, experimentá-las - é preciso aprender a fazer. Esse é o território do método de abordagem do mundo. 

Como modificar as práticas costumeiras que trazemos de nossas vivências para desenvolver habilidades e competências? 

 Em que essas concepções influem sobre seu comportamento como aprendente e futuro ensinante? Que contribuições outros autores já estudados no seu curso tratam dessa temática? 

Relacione aprender a fazer e ensinar - como avançar?