GRUPO FAZER

Apolonio Santiago, Nathalia Coelho, Heitor, Arthur Renan, Heloísa Helena

Olá a todos! DO IT YOURSELF ou simplesmente DIY.

Há pouco tempo assisti um documentário sobre escolas europeias mais precisamente na Finlândia. Onde alunos de ensino médio participam de aulas práticas como APRENDER a cozinhar, lavar roupas, costurar entre outras diversas tarefas do dia-a-dia e eu achei muito interessante por isso compartilho aqui e acredito que vai de encontro com o "Aprender a fazer" e como é importante o desenvolvimento dessa mentalidade que converge para a CULTURA MAKER que foi uma das tendências que estudamos.

O professor Rubem Alves explicou no vídeo sobre o APRENDER A FAZER e questão que ele coloca do fato da criança construir um extenso do braço para conseguir pegar as pitangas é incrível, pois fazemos isso de forma natural e acredito que a escola como mediadora na figura do professor, surge como criadores de oportunidade para que as crianças desenvolvam e tenham mais experiências na construção de extensões para resolver problemas básicos do cotidiano delas.

Vamos compartilhar o link abaixo sobre o MOVIMENTO MAKER que tem se desenvolvido em alguns lugares. E a figura dos FAZEDORES que são pessoas que veem nesse tema uma possível mudança para melhoria da educação. Esse BLOG é muito interessante:

LINKS: https://blog.fazedores.com/cultura-maker-na-educacao/

https://blog.fazedores.com/sobre/

Assim como o que Rubens Alves traz no vídeo, aprender a fazer é dar a oportunidade de o aluno despertar sua inteligência e executar os seus desejos. Aprender a fazer significa dar a chance da pessoa se desenvolver sua tomada de decisões, se arriscarem, inovar e exercitar a sua criatividade. Na educação, dar ao aluno essa oportunidade dele por em prática os seus conhecimentos técnicos e juntar com a sua capacidade de iniciativa.

Para que o aprender a fazer seja posto em prática na educação é preciso preparar o aluno qualificando-o e abrindo espaços para que ele busque seu aprendizado e o faça sozinho.

Em parte do vídeo Rubem Alves, cita o cientista Marshall McLuhan, e dá um exemplo de umas das coisas ditas por ele, "Todas as invenções são extensões de nosso corpo, para facilitar, e tirar nossas limitações.". McLuhan foi um pioneiro dos estudos culturais e no estudo filosófico das transformações sociais provocadas pela revolução tecnológica do computador e das telecomunicações (Tema bastante tocado em nossas discursões em sala de aula). Ele põe a possibilidade do homem de criar coisas para facilitar sua vida, como o ponto especifico de um aprendizado, pois a partir do momento em que sabemos o que fazer e temos o impulso gerado pelo desejo, conseguimos fazer.

Acredito que esse despertar do desejo dito pelo colega no comentário seja o grande marco para que o aluno desperte o interesse e seja autor do seu próprio processo de aprendizagem. É a partir desse despertar que ele desenvolverá sua autonomia e o aprende a fazer.